Arquivo da tag: streetstyle

Epá Babá

Foto: Luana Ribeiro

Modelo ou esportista. Fiz uma aposta comigo quando Alberto Alves (26) entrou no mesmo ônibus onde eu estava. Minha intuição ainda dizia: será que ele é filho de Oxalá? Resultado: 1,5 x 0 para mim. Ele foi modelo – agora, formado em Dança, trabalha em um hotel do litoral norte – e sim, é filho de Oxalá, o orixá da criação.

Para o segundo acerto, nem foi preciso ser muito esperta, afinal, branco (e azul) é a cor desse orixá. Mas seu dia não é sexta? “Se deixar, me visto todo dia de branco”, riu ele, sabendo que o hábito faz o monge, ou melhor, o iaô. Vestido em feitio de oração, acrescentou alguns detalhes que de tão pequenos, dão um charme ao look Omo: óculos escuros, black descolorido e pulseira prateada. Um visual básico, que passa essa tranquilidade. “Me identifico com Oxalá, mas meu jeito é bem louco, ao contrário do temperamento dele. Nem sempre tem a ver”, adverte.

O charminho da pulseira prateada... Foto: Luana Ribeiro
...e do black com pontas descoloridas. Foto: Luana Ribeiro

No caso de Alberto, a monocromia tem origens meio religiosas, qualquer um pode desfrutar do efeito do branco total. Além do frescor visual e tátil, confere uma elegância incrível, pelo minimalismo e por alongar a silhueta. Não que ele precise de alongamentos; eu não medi, mas o moço deve ultrapassar 1,95m tranquilamente!

Por falar em altura, por fim ele me conta que seu orixá também tem um “acessório”: o opaxorô, um cajado com o qual, no início dos tempos, Oxalá separou os céus e a Terra, que estavam no mesmo nível de existência. O cajado está dividido em 9 partes, que representam os 9 níveis de existência – haja céu! O que pode representar uma indumentária, não é verdade?

Em tempo: Epá Babá é a saudação de Oxalá.

Anúncios

Nepotismo – Junior Figueiroa

 

Foto: Luana Ribeiro

“Antenado”. É assim que Junior Figueiroa (17) define seu estilo. Isso não se aplica somente à moda, faço questão de ressaltar, afinal meu colega de trabalho é também ligadíssimo quando o assunto é profissional, que o diga nosso chefe.

Foto: Luana Ribeiro

Acho ele uma figuuura. Sempre sabe de tudo, tem opinião sobre tudo, e é muito querido por aqui. Daquelas pessoas que sempre chamam atenção no ambiente, e isso deve-se também ao visual, claro. Hoje, ele estava numa mistura total de cores (amarelo, vermelho, laranja, bege e azul) e de estilo (meio mauricinho, meio descolado). “Adoro camiseta de gola V”, ri ele, dizendo o item que é sua marca registrada. Faltaram os wayfarer coloridos , sempre presentes em seus looks e que são uma verdadeira febre em Salvador, vendendo às pencas nas óticas… e nos camelôs. “Procuro estar informado e me inspiro muito no que vejo na televisão”. Mas tudo que sua antena capta, o coração não necessariamente captura: “Eu gosto de ser diferente”, afirma.

Souvenir

Foto: Luana Ribeiro

Por pouquíssimo, Saulo Maciel (23), em vez de estar aqui no Sotero Street Style estaria figurando no BH Moda de Rua (vale a visita). Isto porque este baiano de Bom Jesus da Lapa está morando em Belo Horizonte – e chegou recentemente do Canadá – mas, um empurrãozinho do destino o trouxe para uma passada em Salvador, para visitar a prima e  a tia, que estavam com ele quando o encontrei.

Falante e desembaraçado, Saulo sabe que chama a atenção. “Eu adoro usar saia”, afirma, de um jeito que deixa claro que não está nem aí para possíveis olhares tortos. E tortos ou diretos, eles foram muitos, enquanto descíamos a passarela do Salvador Shopping.  Ele também tira de letra a dificuldade de encontrar suas peças, encomendando os modelos que idealiza a uma costureira ou fuçando em brechós, atrás de uma saia que caiba em seu corpo.

Tanta novidade e criatividade não é à toa: ele é ilustrador e designer gráfico. “A gente chega na faculdade e encontra vários tipos de pessoa, designer de moda, designer de produto. Aí começa a ver as coisas: ‘isso eu gosto, isso eu também gosto’. Porque não usar, né?”, explica Saulo, em relação às referências que influenciam seu estilo.

Para completar, perguntei que inspirações ele trouxe na bagagem, na volta do Canadá, no que ele prontamente me respondeu que foi a coragem de usar looks diferentes sem se importar com a opinião alheia. “Se você usa uma roupa que você gosta com medo, as pessoas vão te zoar. Mas se você usa com segurança, elas podem olhar e até quem sabe se adaptar ao que estão vendo”. Eis aí uma lembrança de viagem duradoura. “Tudo é uma questão de postura”, finaliza, confiante.

Viúvas almodovarianas

É muito comum a metáfora do “Noivo” para explicar a relação da igreja com Jesus Cristo. Claro que não é noivo no sentido carnal, além da “Noiva” representar toda a igreja – porém, o amor das beatas muitas vezes lembra uma paixão humana.

Quando o noivo morre, a noiva vira viúva, certo? Na sexta-feira, em Monte Santo, fiquei impressionada com esta senhora, compungida e altiva carregava o caixão do Senhor Morto, como uma viúva almodovariana.

Foto: Luana Ribeiro

Toda de negro, bolsa chamativa, arrematada com o lenço vermelho e amarelo no pescoço, scarpin alto e_ como um viúva que se preze_ grandes óculos escuros, ela me chamou atenção com seu misto de devoção e orgulho da sua fé.

Foto: Luana Ribeiro

Depois dela, já na Matriz, vi outra viuvinha, tão dedicada quanto, recolhida em seu luto – sempre ao pé do caixão do Senhor Morto. O detalhe “Almodóvar”, que enfeita o preto total: a transparência.

Foto: Luana Ribeiro

Nesses casos, até pelo respeito que a situação exige, o estilo não parece ser intencional, e sim resultado da diligência e da “paixão” com que essas fiéis levam seu ofício. Mas, obviamente, é digno de nota. Fica o registro.

Moda com sotaque

Ontem fui ver a tradicional procissão de Monte Santo, que fica a 352 Km de Salvador. Às 4h da manhã, as matracas anunciam o início do percurso pelo pedregoso e íngreme Caminho de Santa Cruz, com cerca de 4 Km através da Serra do Piquaraçá, trazendo na volta as imagens do Senhor Morto, São João Evangelista e Nossa Senhora da Soledade para a Igreja Matriz.
 
Depois de todo essa verdadeira via-crúcis, encontrei a tímida Stephany (15) e a faladeira Jôh (16), conversando na praça. Como esta mesmo disse, elas “se vestem como as baianas, de shortinho e tênis”. Não qualquer shortinho, nem qualquer tênis, é claro – isso fica claro no All Star de cano alto e cadarço rosa de Stephany e no seu short de cintura alta, verdadeira coqueluche, pelo menos em Salvador.  
Foto: Luana Ribeiro

As tendências chegam onde menos se espera. “A gente lê muito as revistas de moda, mas aqui em Monte Santo não dá para usar tudo que vê, senão vão chamar a gente de ridícula”, explica Jôh com seu sotaque característico. Interessante ver como as pessoas se apropriam da moda e adaptam ao clima da cidade e ao seu estilo de vida. Penso que moda de rua é bem isso: local e universal ao mesmo tempo.

 
 

De Salvador para o mundo!

Não é essa a pretensão do WordPress? “Olá mundo!”?

Pois bem. A intenção desse blog é registrar o estilo nas ruas de Salvador (e eventualmente de outras cidades), a partir de pessoas comuns. Como eu, como você.