Arquivo da tag: rosa

Sansão e Dalila?

Foto: Luana Ribeiro

De um banco atrás de Marcos (20), pude ver a extensão dos cachos do rapaz, que desciam enroladinhos até quase o meio das costas. Intrigada com o penteado diferente, não resisti a perguntar de onde tinha vindo a inspiração. “Minha mãe tem o cabelo igual ao meu, aí eu deixei crescer…”, conta ele, que há 1 ano e meio cultiva as madeixas, que com certeza são a força do seu visual.

Foto: Luana Ribeiro

E falando em cabelo, um acessório que, com o perdão do trocadilho, está fazendo a cabeça das meninas é o lenço. Dia desses a lisboeta Sofia Andrade (21) usou de forma muito graciosa:

Foto: Luana Ribeiro

Gosto da forma que Sofia amarrou, simples e desprentensiosa: apenas um fofo laçarote na cabeça, jogado para o lado. Na cabeça das celebridades e na blogosfera, a quantidade de formas de usar mostram que o lenço é teindêeeiincia  também para este verão 2012.

Neston?

Outro detalhe interessante no look de Sofia foram s unhas combinando com uma das bolinhas do lenço. Um capricho só!

Foto: Luana Ribeiro

 

 

Estilo Curinga

Foto: Luana Ribeiro

 “Uma forma de se libertar dos padrões”. É assim que a pernambucana Isabel Freitas (30), define sua relação com a moda. Dá para ver isso facilmente em seu visual, misturado e confortável, bem street mesmo.Gosto especialmente da combinação do tênis com a saia florida, em tons de rosa diferentes.

Liberdade aliás é tema fundamental em sua vida já que ela é coringa(ou curinga) do Teatro do Oprimido, método teatral criado por Augusto Boal nos anos 70, que pretende usar o teatro para promover mudanças na sociedade, no qual os oprimidos sejam incentivados a lutar por sua evolução. Nesse contexto aí, o coringa é um personagem distanciado que pode subverter as cenas, pedir para serem feitas de modo diferente, de modo a ressaltar um certo ponto de vista. Ele tem a função de um orientador. Isabel trabalha com a ONG CEIFAR, que em Salvador, atua na comunidade de Beiru/Tancredo Neves.

Foto: Luana Ribeiro

Buscando cada vez mais se capacitar, ela estuda Pedagogia na Ucsal, um curso que definitivamente tem muito a ver com o trabalho que ela desenvolve. Nessa onda de liberdade, Isabel também carrega no braço uma tatuagem de um sabiá-laranjeira, que é a ave símbolo do Brasil. Muito apropriado, não é?

Foto: Luana Ribeiro

As borboletas prateadas

Sábado é um bom dia é um bom dia para estréias, né não? Pois hoje inauguro a seção “Detalhes tão pequenos…” com recortes interessantes, pequenos detalhes que fazem diferença. Uma bolsa, um sapato, uma pulseira, borboletas…

Borboletas?

Monique dos Santos (19), vendedora de uma pequena loja de roupas na Brasilgás, leva borboletas no pescoço e “pousadas” delicadamente em seu cabelo joãozinho.

Foto: Luana Ribeiro

 

Foto: Luana Ribeiro

 Quando perguntei a ela porque ela usa o cabelo joãozinho, ela disparou: “porque eu raspei a cabeça! Foi muita química, o cabelo caiu todo e eu tive que raspar”. Fiquei surpresa, mas seu sorriso me mostrou que ela tem sabido contornar a situação. Depois do cabelo curtinho, ela nunca fica sem usar um enfeite: “Ontem eu coloquei fuxico verde, anteontem fuxico rosa, tenho passadeira jeans com laço de bolinhas… Aí passei lá em Gildo e comprei essas borboletinhas”. Para quem não é de Salvador, fuxico é isto, passadeira é tiara e Gildo é uma loja de bijuterias – entre as dezenas que existem na cidade – lá de Castelo Branco.

Antes que eu fosse embora, Monique correu para dentro da loja: “peraí que eu vou te mostrar uma coisa”. Trouxe um caderno, desses que as meninas anotam confidências, mensagens, declarações de amizade. Nele, a lembrança do cabelo comprido de antes e otimismo de quem sabe que cabelo cresce – e qualquer coisa a gente sempre terá as borboletas.

"O choro pode durar uma noite, mas a alegria vem pela manhã".Foto: Luana Ribeiro

The twin set

Apesar de diferentes, algo me dizia que Taiana e Taise Conceição, de 10 anos, eram gêmeas. A roupa parecida, algo no jeito de andar, não sei. Quando eu vi a sandalinha igual, vi que tinha acertado. “Elas vestem tudo igual; uma não pode fazer uma coisa ,que a outra quer fazer também”, contou Teresa Santos, vizinha delas lá em Vida Nova, Lauro de Freitas. Como boa amiga, levou as meninas para passear na bela praça do Campo Grande.

Gosto muito do vestido rosa no corpo esguio, que as une, e os detalhes que dizem sobre a personalidade de cada uma. Taiana é extrovertida – abriu um sorrisão quando pedi para fotografá-las.Acho que o look  rosa total combina muito com seu jeito mais exuberante e “fashion”. Taise quase não deixou que esse post saísse, tímida que só. A jaqueta jeans, mais básica, vai bem com sua encantadora introspecção – o toque fica nos botões pink.

Consigo vê-las daqui a alguns anos, já moças, e fico me perguntando se elas vão mudar ou se vão mostrar ainda mais as diferenças que realçam a sua condição de gêmeas.

Moda com sotaque

Ontem fui ver a tradicional procissão de Monte Santo, que fica a 352 Km de Salvador. Às 4h da manhã, as matracas anunciam o início do percurso pelo pedregoso e íngreme Caminho de Santa Cruz, com cerca de 4 Km através da Serra do Piquaraçá, trazendo na volta as imagens do Senhor Morto, São João Evangelista e Nossa Senhora da Soledade para a Igreja Matriz.
 
Depois de todo essa verdadeira via-crúcis, encontrei a tímida Stephany (15) e a faladeira Jôh (16), conversando na praça. Como esta mesmo disse, elas “se vestem como as baianas, de shortinho e tênis”. Não qualquer shortinho, nem qualquer tênis, é claro – isso fica claro no All Star de cano alto e cadarço rosa de Stephany e no seu short de cintura alta, verdadeira coqueluche, pelo menos em Salvador.  
Foto: Luana Ribeiro

As tendências chegam onde menos se espera. “A gente lê muito as revistas de moda, mas aqui em Monte Santo não dá para usar tudo que vê, senão vão chamar a gente de ridícula”, explica Jôh com seu sotaque característico. Interessante ver como as pessoas se apropriam da moda e adaptam ao clima da cidade e ao seu estilo de vida. Penso que moda de rua é bem isso: local e universal ao mesmo tempo.

 
 

Nepotismo – Ket Power

Foto: Luana Ribeiro

Te vejo na Vogue, Ket  😉

Essa moça está sempre elegante. Mas quando chegou hoje para aula, com esse vestidinho clássico e essa bolsa engraçada, chique e simples, não tive dúvida: tinha que fotográfa-la.

Olha a parte de baixo!
Foto: Luana Ribeiro

Carol Andrade, ou Ket, é minha amiga e tem esse blog aqui ó: Cabe na Bolsa.

Ela saca muito de moda, como vocês poderão ver no blog e na foto aí em cima. E é um exemplo de que esse espírito “fashionista” já chegou em Salvador, que muitos alardeiam como provinciana. Isso se comprova na moda de rua, com as pessoas “na tendência” e na quantidade de marcas que se instalaram na cidade nos últimos 3 anos como Zara, Farm, entre outras.

No entanto – e essa é uma das inspirações desse blog – os soteropolitanos tem uma maneira muito própria de se apropriar da correntes da moda que circulam por aí, por vários motivos: o clima, a condição social e a própria história daqui, que determinou a facilidade de aderir ou não a algo novo. De certa forma, acho que as lan houses, um fenômeno aqui em Salvador, ajudaram a incluir Salvador nos ciclos da moda. Com moderação, claro – aos poucos as pessoas estão ousando mais, “se montando” mais. Vamos ver os rumos dos acontecimentos.

 Por hoje se encerra o momento mimimi, rsrsrs

 

Teen look

Foto: Luana Ribeiro

“Como assim, Luana, duas meninas de uniforme em um blog de moda de rua?”

Justamente.

Quase todo mundo na adolescência ODEIA uniforme. Logo quando a gente quer descobrir quem é – e o mais importante, mostrar pra todo mundo – temos que ficar todos iguaizinhos e sem graça, com aquela roupa que não cai bem no admirável corpo novo que estamos ganhando!

Pois bem. Encontrei as primas Adrielle e Dandara Almeida, 14 e 15 anos respectivamente, na estação da Lapa, saindo da aula. Num rasgo de rebeldia, elas resolveram dar um jeitinho na farda e transformaram a camisa em baby look (ou melhor seria “teen look”?). Some-se a isso brincos e sutiãs flúor devidamente combinados, calças justíssimas e pronto! Era uma vez um uniforme.

Aliás, tenho visto que uma moda bombando na cidade no momento são as cores flúor, principalmente no sutiã, com uma blusa transparente por cima. Isso sim que está virando uniforme.