Arquivo da tag: cabelo

Menino da Bahia

glayson_sss

Ou quase. Com uma cor de chocolate 70% de cacau e com as cores do Olodum na cabeça, o arte-educador Glayson de Souza, 24, até parece um legítimo soteropolitano. Mas apesar de estar confortavelmente sentado aos pés da Igreja do Paço, era sua primeira vez na Bahia – e seu primeiro dia no Centro Histórico. “Chegamos segunda, viemos assistir o show de Ivete. Ficamos lá pelo Jardim  de Alah”, contou empolgado. Os dreads que tinha acabado de fazer gritavam por uma olhadinha. “É de família isso de andar e chamar a atenção, gostar de ser diferente, se vestir sem ligar”.

Anúncios

Sansão e Dalila?

Foto: Luana Ribeiro

De um banco atrás de Marcos (20), pude ver a extensão dos cachos do rapaz, que desciam enroladinhos até quase o meio das costas. Intrigada com o penteado diferente, não resisti a perguntar de onde tinha vindo a inspiração. “Minha mãe tem o cabelo igual ao meu, aí eu deixei crescer…”, conta ele, que há 1 ano e meio cultiva as madeixas, que com certeza são a força do seu visual.

Foto: Luana Ribeiro

E falando em cabelo, um acessório que, com o perdão do trocadilho, está fazendo a cabeça das meninas é o lenço. Dia desses a lisboeta Sofia Andrade (21) usou de forma muito graciosa:

Foto: Luana Ribeiro

Gosto da forma que Sofia amarrou, simples e desprentensiosa: apenas um fofo laçarote na cabeça, jogado para o lado. Na cabeça das celebridades e na blogosfera, a quantidade de formas de usar mostram que o lenço é teindêeeiincia  também para este verão 2012.

Neston?

Outro detalhe interessante no look de Sofia foram s unhas combinando com uma das bolinhas do lenço. Um capricho só!

Foto: Luana Ribeiro

 

 

As borboletas prateadas

Sábado é um bom dia é um bom dia para estréias, né não? Pois hoje inauguro a seção “Detalhes tão pequenos…” com recortes interessantes, pequenos detalhes que fazem diferença. Uma bolsa, um sapato, uma pulseira, borboletas…

Borboletas?

Monique dos Santos (19), vendedora de uma pequena loja de roupas na Brasilgás, leva borboletas no pescoço e “pousadas” delicadamente em seu cabelo joãozinho.

Foto: Luana Ribeiro

 

Foto: Luana Ribeiro

 Quando perguntei a ela porque ela usa o cabelo joãozinho, ela disparou: “porque eu raspei a cabeça! Foi muita química, o cabelo caiu todo e eu tive que raspar”. Fiquei surpresa, mas seu sorriso me mostrou que ela tem sabido contornar a situação. Depois do cabelo curtinho, ela nunca fica sem usar um enfeite: “Ontem eu coloquei fuxico verde, anteontem fuxico rosa, tenho passadeira jeans com laço de bolinhas… Aí passei lá em Gildo e comprei essas borboletinhas”. Para quem não é de Salvador, fuxico é isto, passadeira é tiara e Gildo é uma loja de bijuterias – entre as dezenas que existem na cidade – lá de Castelo Branco.

Antes que eu fosse embora, Monique correu para dentro da loja: “peraí que eu vou te mostrar uma coisa”. Trouxe um caderno, desses que as meninas anotam confidências, mensagens, declarações de amizade. Nele, a lembrança do cabelo comprido de antes e otimismo de quem sabe que cabelo cresce – e qualquer coisa a gente sempre terá as borboletas.

"O choro pode durar uma noite, mas a alegria vem pela manhã".Foto: Luana Ribeiro

Souvenir

Foto: Luana Ribeiro

Por pouquíssimo, Saulo Maciel (23), em vez de estar aqui no Sotero Street Style estaria figurando no BH Moda de Rua (vale a visita). Isto porque este baiano de Bom Jesus da Lapa está morando em Belo Horizonte – e chegou recentemente do Canadá – mas, um empurrãozinho do destino o trouxe para uma passada em Salvador, para visitar a prima e  a tia, que estavam com ele quando o encontrei.

Falante e desembaraçado, Saulo sabe que chama a atenção. “Eu adoro usar saia”, afirma, de um jeito que deixa claro que não está nem aí para possíveis olhares tortos. E tortos ou diretos, eles foram muitos, enquanto descíamos a passarela do Salvador Shopping.  Ele também tira de letra a dificuldade de encontrar suas peças, encomendando os modelos que idealiza a uma costureira ou fuçando em brechós, atrás de uma saia que caiba em seu corpo.

Tanta novidade e criatividade não é à toa: ele é ilustrador e designer gráfico. “A gente chega na faculdade e encontra vários tipos de pessoa, designer de moda, designer de produto. Aí começa a ver as coisas: ‘isso eu gosto, isso eu também gosto’. Porque não usar, né?”, explica Saulo, em relação às referências que influenciam seu estilo.

Para completar, perguntei que inspirações ele trouxe na bagagem, na volta do Canadá, no que ele prontamente me respondeu que foi a coragem de usar looks diferentes sem se importar com a opinião alheia. “Se você usa uma roupa que você gosta com medo, as pessoas vão te zoar. Mas se você usa com segurança, elas podem olhar e até quem sabe se adaptar ao que estão vendo”. Eis aí uma lembrança de viagem duradoura. “Tudo é uma questão de postura”, finaliza, confiante.

Todo mundo adora o Alexandre

Foto: Luana Ribeiro

Quando vi Alexandre das Neves, ágil com seus apenas 12 anos, em um posto de gasolina na Av. Luís Eduardo Magalhães, mil coisas me vieram na cabeça:  uma mistura de Chris com Marty McFly ao som de Jumpin’ Jack Flash . Quantas referências pop, vocês podem pensar. Mas é isso mesmo. O pequeno Alexandre é muito pop, mesmo que talvez não tenha consciência disso.

Talvez, eu digo, porque com sua pose aí em cima, todo malandrão, me faz pensar que ele tem sim, muita noção de estilo. Foi vê-lo e me apaixonar pela combinação de cores, o casaco inspirado nos agasalhos de times americanos (“Flying Crew Team – American League – Denver”) e o já velhinho tênis (Conga?). Mais pop impossível.

Alexandre sempre trabalha por ali, aos sábados e domingos, com seu irmão Gilmar, de 15 anos e o amigo Talisson William Silva Ferreira Nascimento dos Santos (UFA!), de 11 anos, que me fez, aliás, anotar seu nome completo na maior empolgação – “o meu é grande, moça”. Eles moram por perto, em São Gonçalo do Retiro, bairro em que, por sinal, está o famoso terreiro Ilê Axé Opô Afonjá, de Mãe Stella de Oxóssi.

Alexandre, Talisson e Gilmar/Foto: Luana Ribeiro

Conversa vai, conversa vem, acabei reparando no coração flechado que Gilmar ostentava na cabeça. “Ele tá apaixonado!!!”, provocou Talisson. “Não, não, não tô não”, negou ele, envergonhado – mas pouco convincente. Esses desenhos no cabelo proliferam aqui em Salvador – há barbeiros e cabeleleiros experts nisso. Os black power já pintaram por aqui duas vezes, mas ainda tem as desenhos, as tranças… vamos vendo. 

Foto: Luana Ribeiro