Arquivo da tag: Brasil

Sansão e Dalila?

Foto: Luana Ribeiro

De um banco atrás de Marcos (20), pude ver a extensão dos cachos do rapaz, que desciam enroladinhos até quase o meio das costas. Intrigada com o penteado diferente, não resisti a perguntar de onde tinha vindo a inspiração. “Minha mãe tem o cabelo igual ao meu, aí eu deixei crescer…”, conta ele, que há 1 ano e meio cultiva as madeixas, que com certeza são a força do seu visual.

Foto: Luana Ribeiro

E falando em cabelo, um acessório que, com o perdão do trocadilho, está fazendo a cabeça das meninas é o lenço. Dia desses a lisboeta Sofia Andrade (21) usou de forma muito graciosa:

Foto: Luana Ribeiro

Gosto da forma que Sofia amarrou, simples e desprentensiosa: apenas um fofo laçarote na cabeça, jogado para o lado. Na cabeça das celebridades e na blogosfera, a quantidade de formas de usar mostram que o lenço é teindêeeiincia  também para este verão 2012.

Neston?

Outro detalhe interessante no look de Sofia foram s unhas combinando com uma das bolinhas do lenço. Um capricho só!

Foto: Luana Ribeiro

 

 

Anúncios

Nepotismo – Regra de três

Hoje teremos uma aula de matemática e assunto é regra de três – simples e composta! E antes que você pare de ler, será uma aula ilustrada, tá legal? Vamos lá!

Regra de três simples:

Considerando que:

Temos:

Foto: Luana Ribeiro
 
Deste modo, posso dizer que os looks de Alexandro Mota (21)Carol Andrade (21)  são proporcionais, concordam comigo? Só estão invertidos: suéter cinza claro e jeans azul escuro para ele e suéter cinza escuro e jeans azul claro para ela. Incrível coincidência, não?
 
Adorei essa complementação de meus queridos amigos, toda em tons neutros e clássicos. Não fica monótono, como vocês podem ver, mas tem um detalhe que faz toda a diferença. Aí entra a regra de três composta.
 
Composta de: camiseta básica + jeans + calçado estiloso. Veja o exemplo abaixo:
 
Foto: Luana Ribeiro

Enquanto o tênis de couro de Alê fecha o look “Oskar Metsavaht“, phyno, como dizem por aí, a espadrilha listrada de turquesa (uma graça!) traz tropicalismo ao visual Flash Dance de nossa amiga Ket. No caso dela, a dobradinha tropical+contemporâneo (olha a adição) se repete nos acessórios.

Foto: Luana Ribeiro

 A turquesa, que lembra o nosso céu anil, se desdobra na pedra grande do anel e na espadrilha. As linhas urbanas do relógio prateado reforçam a base do visual.

Foto: Luana Ribeiro

Copiou? Agora é só fazer a lição de casa!

Epá Babá

Foto: Luana Ribeiro

Modelo ou esportista. Fiz uma aposta comigo quando Alberto Alves (26) entrou no mesmo ônibus onde eu estava. Minha intuição ainda dizia: será que ele é filho de Oxalá? Resultado: 1,5 x 0 para mim. Ele foi modelo – agora, formado em Dança, trabalha em um hotel do litoral norte – e sim, é filho de Oxalá, o orixá da criação.

Para o segundo acerto, nem foi preciso ser muito esperta, afinal, branco (e azul) é a cor desse orixá. Mas seu dia não é sexta? “Se deixar, me visto todo dia de branco”, riu ele, sabendo que o hábito faz o monge, ou melhor, o iaô. Vestido em feitio de oração, acrescentou alguns detalhes que de tão pequenos, dão um charme ao look Omo: óculos escuros, black descolorido e pulseira prateada. Um visual básico, que passa essa tranquilidade. “Me identifico com Oxalá, mas meu jeito é bem louco, ao contrário do temperamento dele. Nem sempre tem a ver”, adverte.

O charminho da pulseira prateada... Foto: Luana Ribeiro
...e do black com pontas descoloridas. Foto: Luana Ribeiro

No caso de Alberto, a monocromia tem origens meio religiosas, qualquer um pode desfrutar do efeito do branco total. Além do frescor visual e tátil, confere uma elegância incrível, pelo minimalismo e por alongar a silhueta. Não que ele precise de alongamentos; eu não medi, mas o moço deve ultrapassar 1,95m tranquilamente!

Por falar em altura, por fim ele me conta que seu orixá também tem um “acessório”: o opaxorô, um cajado com o qual, no início dos tempos, Oxalá separou os céus e a Terra, que estavam no mesmo nível de existência. O cajado está dividido em 9 partes, que representam os 9 níveis de existência – haja céu! O que pode representar uma indumentária, não é verdade?

Em tempo: Epá Babá é a saudação de Oxalá.

Tempo bom

“Logo hoje que eu tô de vermelho, é dia de Iansã”, riu Débora Alcântara (30), com a coincidência sagrada. Porque aqui em Salvador, muita gente se veste de acordo com o seu orixá de cabeça. Não é o caso de Débora. A semelhança com a Rainha dos Raios é a influência do seu clima. “Eu me visto pelo meu humor”, esclareceu ela, entre tempo bom e tempo ruim. Pelo seu visual coloridíssimo, deve estar com o astral lá em cima!

Foto: Luana Ribeiro

Falando em coincidências, descubro que estudou na Facom (UFBA), como esta foca que vos fala, e é jornalista do A Tarde . “Comunicação? Ah, vai ser nossa colega”. Eu deveria ter imaginado – a interceptei bem perto da saída do jornal, depois de tê-la visto passar entre a pequena multidão que sai da passarela e dos pontos de ônibus da região. E não tinha como não ter visto, com a combinação quase mexicana de vermelho e amarelo.

Depois, já conversando com ela, fui vendo os detalhes: espadrilhas (tendência que deve prosseguir no verão 2012),  colar e anel azul, a bolsa grandona com estampa tropical e a saia também estampada. Apenas descrevendo, pode parecer um verdadeiro carnaval, mas tem toda uma sutileza da coordenação de cores. O vermelho (liso e mais fechado) e o azul aparecem nas florzinhas da saia, a bolsa tem fundo preto, as bijuterias são super discretas e as espadrilhas são de um modelo clássico. Ao contrário do que ela imagina, duvido que pensem mal do seu look.

Um exemplo é a saia, grande destaque da produção. Além de linda, é dupla face. “A última vez que usei essa saia, foi pelo lado de dentro”. E adivinha a cor predominante? Azul – como as flores, o anel e o colar – se insinuando por baixo do amarelo. Deixa que digam que é Carnaval. A moça entende do samba.

Foto: Luana Ribeiro

A dança da sereia

Foto: Luana Ribeiro

Quando eu vi Inaê Moreira (20), a primeira coisa obviamente que me chamou atenção foi o verde da sua calça, que combina bastante com essa manhã cinzento (e frio) que fez hoje. Depois, claro, eu vim reparar na sobreposição de listras (um detalhe simples, mas incrível!) e no discreto piercing no nariz. Juntando isso tudo ao tênis e à mochila, ela estava com uma pegada bem street, típico de uma estudante cheia de afazeres.

 

Foto: Luana Ribeiro

 

O palpite de “estudante cheia de afazeres” veio também da pressa com que a moça saía do campus de Ondina da UFBA. E eu acertei: ela faz Dança lá – e em outras lugares também. Inaê faz parte da Cia Obcena de Arte . Ela me convidou para conferir, em breve um evento especial que eles vão organizar, uma intervençaõ urbana,o Observatório de Perfomances, que vai rolar nos dias 24 e 25 de junho, no centro da cidade. Quem quiser mais detalhes é só dá uma clicada no link ali em cima.

“Acho que me visto assim para causar, para as pessoas saberem que eu sou uma artista. Como trabalho com arte de rua, é legal as pessoas olharem e não verem uma passante qualquer”, afirma ela. Tá certo – não à toa, ela veio parar aqui no blog. Mas falando de seu visual, acabei não contando uma das coisas que mais me surpreenderam nela: o nome. Inaê, para quem não sabe, é uma das formas de chamar Iemanjá. E se a música nos leva a prestar atenção no canto da sereia, por aqui, o negócio é sua dança.  

 

 

Estilo Curinga

Foto: Luana Ribeiro

 “Uma forma de se libertar dos padrões”. É assim que a pernambucana Isabel Freitas (30), define sua relação com a moda. Dá para ver isso facilmente em seu visual, misturado e confortável, bem street mesmo.Gosto especialmente da combinação do tênis com a saia florida, em tons de rosa diferentes.

Liberdade aliás é tema fundamental em sua vida já que ela é coringa(ou curinga) do Teatro do Oprimido, método teatral criado por Augusto Boal nos anos 70, que pretende usar o teatro para promover mudanças na sociedade, no qual os oprimidos sejam incentivados a lutar por sua evolução. Nesse contexto aí, o coringa é um personagem distanciado que pode subverter as cenas, pedir para serem feitas de modo diferente, de modo a ressaltar um certo ponto de vista. Ele tem a função de um orientador. Isabel trabalha com a ONG CEIFAR, que em Salvador, atua na comunidade de Beiru/Tancredo Neves.

Foto: Luana Ribeiro

Buscando cada vez mais se capacitar, ela estuda Pedagogia na Ucsal, um curso que definitivamente tem muito a ver com o trabalho que ela desenvolve. Nessa onda de liberdade, Isabel também carrega no braço uma tatuagem de um sabiá-laranjeira, que é a ave símbolo do Brasil. Muito apropriado, não é?

Foto: Luana Ribeiro

Porque moda também é terapia

Foto: Luana Ribeiro

Posturologia e Cinesiologia Clínica de Brunnstrom. Esses são os títulos que Luciano Guedes (23) carrega na foto aí em cima, como um bom estudante de fisioterapia que é. Poderia ser algo relacionado à moda, mas ele esclarece: “tem a ver comigo, mas eu gosto mesmo é da área de saúde”.

Isso não impede, é claro, que ele use seu próprio corpo para expressar seu gosto por moda. Achei muito criativo o look branco total típico de estudantes dessa área, aditivado pelo modelo da calça, pela echarpe cinza e pelo casaco em off-white – acho essa cor, aliás, chiquérrima e quebra qualquer monotonia de um look todo branco. E é tendêeencia para o inverno 2011  .

Foto: Luana Ribeiro

 

Tão antenado assim, Luciano conta que sua principal referência é o que vê na tv, nos figurinos das novelas. Essas informações são aliadas ao clima, “esse mudar de estação o tempo todo” bem característico de Salvador. Outras fontes são duas amigas que estudam Design de Moda lá na Faculdade da Cidade – um dos poucos cursos de graduação em moda da Bahia, aliás – e a recíproca é verdadeira: “elas também pescam algumas coisas de mim, me fazem de cobaia”.

Olha aí, cobaia também não é coisa da área de saúde? Pronto. Para voltar à fisioterapia, não sei se o moço já está expert em posturologia – mas postura ele tem de sobra.