Arquivo da tag: azul

Nepotismo – Regra de três

Hoje teremos uma aula de matemática e assunto é regra de três – simples e composta! E antes que você pare de ler, será uma aula ilustrada, tá legal? Vamos lá!

Regra de três simples:

Considerando que:

Temos:

Foto: Luana Ribeiro
 
Deste modo, posso dizer que os looks de Alexandro Mota (21)Carol Andrade (21)  são proporcionais, concordam comigo? Só estão invertidos: suéter cinza claro e jeans azul escuro para ele e suéter cinza escuro e jeans azul claro para ela. Incrível coincidência, não?
 
Adorei essa complementação de meus queridos amigos, toda em tons neutros e clássicos. Não fica monótono, como vocês podem ver, mas tem um detalhe que faz toda a diferença. Aí entra a regra de três composta.
 
Composta de: camiseta básica + jeans + calçado estiloso. Veja o exemplo abaixo:
 
Foto: Luana Ribeiro

Enquanto o tênis de couro de Alê fecha o look “Oskar Metsavaht“, phyno, como dizem por aí, a espadrilha listrada de turquesa (uma graça!) traz tropicalismo ao visual Flash Dance de nossa amiga Ket. No caso dela, a dobradinha tropical+contemporâneo (olha a adição) se repete nos acessórios.

Foto: Luana Ribeiro

 A turquesa, que lembra o nosso céu anil, se desdobra na pedra grande do anel e na espadrilha. As linhas urbanas do relógio prateado reforçam a base do visual.

Foto: Luana Ribeiro

Copiou? Agora é só fazer a lição de casa!

Tempo bom

“Logo hoje que eu tô de vermelho, é dia de Iansã”, riu Débora Alcântara (30), com a coincidência sagrada. Porque aqui em Salvador, muita gente se veste de acordo com o seu orixá de cabeça. Não é o caso de Débora. A semelhança com a Rainha dos Raios é a influência do seu clima. “Eu me visto pelo meu humor”, esclareceu ela, entre tempo bom e tempo ruim. Pelo seu visual coloridíssimo, deve estar com o astral lá em cima!

Foto: Luana Ribeiro

Falando em coincidências, descubro que estudou na Facom (UFBA), como esta foca que vos fala, e é jornalista do A Tarde . “Comunicação? Ah, vai ser nossa colega”. Eu deveria ter imaginado – a interceptei bem perto da saída do jornal, depois de tê-la visto passar entre a pequena multidão que sai da passarela e dos pontos de ônibus da região. E não tinha como não ter visto, com a combinação quase mexicana de vermelho e amarelo.

Depois, já conversando com ela, fui vendo os detalhes: espadrilhas (tendência que deve prosseguir no verão 2012),  colar e anel azul, a bolsa grandona com estampa tropical e a saia também estampada. Apenas descrevendo, pode parecer um verdadeiro carnaval, mas tem toda uma sutileza da coordenação de cores. O vermelho (liso e mais fechado) e o azul aparecem nas florzinhas da saia, a bolsa tem fundo preto, as bijuterias são super discretas e as espadrilhas são de um modelo clássico. Ao contrário do que ela imagina, duvido que pensem mal do seu look.

Um exemplo é a saia, grande destaque da produção. Além de linda, é dupla face. “A última vez que usei essa saia, foi pelo lado de dentro”. E adivinha a cor predominante? Azul – como as flores, o anel e o colar – se insinuando por baixo do amarelo. Deixa que digam que é Carnaval. A moça entende do samba.

Foto: Luana Ribeiro

O rei da rua

Foto: Luana Ribeiro

Cantando um refrão impublicável, acompanhado de umas 15 estudantes repetindo atrás. Essa foi a primeira visão que tive de Carlos Brito Silva (26), o Ném. A trilha sonora era nada mais, nada menos que um sucesso de duplo sentido da banda de pagode Saiddy Bamba. Provavelmente, aliás, ele já deve ter a coreografia na ponta dos pés, afinal, Ném é dançarino e  ensaia com duas galeras diferentes os sucessos do pagode, “pra chegar nas festas quebrando”. Mas para ganhar dinheiro, ele faz “uns bicos aí na Sete Portas”, conta cheio de ginga, como quem bem sabe dançar conforme a música.

A dança, diga-se de passagem, é o que mais faz brilhar o olho de Ném – que só é marrento na a foto, mas é todo sorridente – e não à toa, comanda também o seu visual. “Eu me visto assim ou de basqueteiro. Essas marcas tipo Cyclone deixei de usar, porque no shopping os seguranças ficam implicando “. O look de hoje foi escolhido “por causa da cor”, mas também por ser confortável “demais” para dançar, ele me conta.

Eu particularmente gosto das cores do Brasil, das chaves penduradas no pescoço e, principalmente da caixa de som de mp3 portátil, devidamente acompanhado do controle (!), que me lembrou o pessoal do break com o indefectível radiogravador sobre os ombros.

Foto: Luana Ribeiro

Ném ilustra como a influência do movimento black é presente na cidade, principalmente nos bairros de periferia, que está na roupa com inspiração no basquete; na música (“eu ouço hip-hop, pagode”) e nos costumes (o mp3 speaker é um exemplo). A diferença, nesse caso está no dispositivo, que evoluiu tecnologicamente – mas que retoma o design e o uso de antes. “Eu ando pra cima e pra baixo com ele”, diz risonho, justificando: “eu sou pagodeiro, né?”.

Enquanto a gente conversava, as meninas de lá do início do post seguiram para a escola. Mas não ficamos em paz: a todo momento paravam grupos de estudantes amigos dele, conhecidos acenavam de moto, gritavam seu nome. “Todo mundo me conhece, eu sou muito querido por aqui. Na linguagem da malandragem, eu sou o frente”,  anuncia professoral, e explica: “o frente é o que ajuda a galera. Eu ajudo todo mundo aí do ICEIA (cujas paredes grafitadas estão ao fundo), do Getúlio; como sou o mais velho, resolvo os problemas…”. Na moda, na dança ou na prosa, Ném é o rei da rua.

Nepotismo – Junior Figueiroa

 

Foto: Luana Ribeiro

“Antenado”. É assim que Junior Figueiroa (17) define seu estilo. Isso não se aplica somente à moda, faço questão de ressaltar, afinal meu colega de trabalho é também ligadíssimo quando o assunto é profissional, que o diga nosso chefe.

Foto: Luana Ribeiro

Acho ele uma figuuura. Sempre sabe de tudo, tem opinião sobre tudo, e é muito querido por aqui. Daquelas pessoas que sempre chamam atenção no ambiente, e isso deve-se também ao visual, claro. Hoje, ele estava numa mistura total de cores (amarelo, vermelho, laranja, bege e azul) e de estilo (meio mauricinho, meio descolado). “Adoro camiseta de gola V”, ri ele, dizendo o item que é sua marca registrada. Faltaram os wayfarer coloridos , sempre presentes em seus looks e que são uma verdadeira febre em Salvador, vendendo às pencas nas óticas… e nos camelôs. “Procuro estar informado e me inspiro muito no que vejo na televisão”. Mas tudo que sua antena capta, o coração não necessariamente captura: “Eu gosto de ser diferente”, afirma.

Nepotismo – National Kid

Foto: Luana Ribeiro

Inaugurando a seção “Nepotismo”, com pessoas que são minhas conhecidas (colegas, amigos, parentes) com quem encontro por aí, Cydo Silva, colega de jornalismo na Facom-UFBA, que tem um critério curioso para definir sua roupa do dia. “Eu me guio pelas cores que eu gosto: verde, azul…”. Hoje ele escolheu azul, verde e o grande destaque da meia amarela (as cores da nossa bandeira!), numa mistura improvável e interessantíssima, colorindo peças mais tradicionais. “Às vezes eu acho que vai ficar bizarro, mas depois penso que eu tenho que me sentir bem”. Justamente o que o Sotero Street Style busca: autenticidade.